Voltar    
  A LITERATURA INFANTIL DA SÉRIE MICO MANECO DE ANA MARIA MACHADO

Karem da Costa Couto - ALLE/FE/Unicamp
Norma Sandra de Almeida Ferreira – orientadora - ALLE/FE/Unicamp

Este trabalho analisa dentro da produção cultural voltada para crianças, a Coleção Mico Maneco, de Ana Maria Machado. O objetivo da pesquisa é o de conhecer melhor esta produção e verificar como as intenções didático-pedagógicas entrelaçam-se na linguagem literária voltada para crianças que estão se iniciando na prática da leitura. Algumas questões foram norteadoras deste trabalho: quais propósitos, intenções do editor/ autora/ ilustrador parecem orientar a produção desta Coleção? Qual o seu projeto editorial: seu conteúdo, sua linguagem, verbal e não verbal, sua organização em diferentes obras, sua materialidade? Que marcas indicativas nesta Coleção permitem reconstruir as concepções de alfabetização e de alfabetizando pensadas pelo editor/ autor/ ilustrador?

INTRODUÇÃO

Alguns livros infantis são produzidos com o objetivo de colaborar com a alfabetização das crianças e com a aquisição de suas habilidades de leitura e escrita, tendo o importante papel de iniciá-las na leitura. São obras que se propõem a acompanhar os primeiros contatos com a leitura pela criança, acreditando que estas futuramente poderão proporcionar reflexões críticas, individuais ou coletivas que fazem parte também do processo de ensino e aprendizagem de todo leitor.
Segundo Zilberman (1988), os símbolos, as letras e as palavras são conhecidas pela criança antes mesmo de ela aprender a lê-los, pois estão sempre presentes em seu cotidiano, nas diversas mídias e na convivência com todos, que fazem parte de seu processo de socialização. A curiosidade infantil alimenta o anseio de compreender toda a gama de materiais disponíveis ao seu redor e de decifrá-los.
Também de acordo com Zilberman (idem), é interessante que a criança seja atraída pelas diversas mídias e que por meio de uma escolarização bem sucedida, seja capaz de permanecer interessada por elas e tornar-se assim parte do público que as consome. E para a escola, é conveniente que as mesmas mídias sejam aptas, por meio dessa atração, a colaborar com a obtenção da alfabetização e do letramento pela criança. Quando na década de 80, surgem livros destinados às crianças em fase de alfabetização compondo Coleções ou séries com propostas mais explícitas quanto aos seus objetivos, estes livros respondem à essa relação entre a mídia e a escola, entre a literatura e o texto didático.
Assim, na produção cultural destinada ao público infantil, que se constrói e se condensa nos últimos 40 anos, encontramos livros diversos que às vezes se confundem, se cruzam, se distanciam quanto à intenção didática no projeto editorial. Que impressos são estes? São livros didáticos, paradidáticos, ou de literatura? Como se constituem em sua especificidade? Que materialidade assumem ao dizerem o que dizem e como dizem?
Dentro dessas produções voltadas para crianças, optamos por analisar e conhecer melhor a série Mico Maneco de Ana Maria Machado, na tentativa de responder às questões citadas e de compreendê-la em toda sua complexidade e materialidade que assume.

A SÉRIE MICO MANECO
Mico Maneco é uma obra com vários capítulos, fascículos, que se aplica como um recurso para auxiliar e estimular as práticas de leitura. Recurso este que exige a presença de um mediador – professor, pai ou mãe – que apresenta o livro à criança e, muitas vezes, o lê junto dela.

Para Zilberman (1988), é interessante que a criança tenha saciada sua vontade de ler e aprender, tendo acesso às obras literárias já em sua fase de aprendizagem. Mico Maneco, de Ana Maria Machado, é uma dessas obras que se destinam a leitores ainda em sua fase de aquisição da leitura. Machado afirma que com a série, ela e Marisa Borba, a psicopedagoga que a ajudou na elaboração dos livros, lançam um desafio aos pais e professores: o de alfabetizar por meio de livros de literatura. É uma proposta inovadora em relação ao que existia no mercado editorial na época, pois trata-se de “um convite para deixar de lado as tradicionais cartilhas e pré-livros”, segundo Miriam Moreira, que faz a indicação de leitura da contra-capa dos livros da série.
Em dois projetos gráficos diferentes, a Coleção aproxima as crianças ao mundo da leitura. Em edição mais simples, da editora Melhoramentos, o tamanho dos livros é menor , a letra da capa é cursiva e o papel tem qualidade inferior, o que pode demonstrar uma tentativa de tornar o custo do projeto gráfico mais baixo. Esse projeto talvez buscasse maior aproximação com o mundo da criança leitora, já que por ser menor possuía uma particularidade quase única e a letra cursiva, que lembra a letra de uma criança, também poderia se constituir em mais um atrativo para o leitor. As obras presentes nas bibliotecas escolares estão no formato deste projeto editorial antigo. Foram distribuídas gratuitamente pelo governo estadual de São Paulo, pela Fundação para o Livro Escolar (FLE) e pela Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE) na década de 80. Atualmente a Série encontra-se ainda nos Catálogos da editora Moderna/ Salamandra com um projeto gráfico esteticamente mais vistoso e em tamanho bem maior.
A mudança do projeto pode evidenciar a busca por uma qualidade superior, tanto de materiais como de elaboração, para atender à demanda de um público que têm se modificado nos últimos vinte anos, desde que a série foi lançada, e que hoje exige mais qualidade e projetos mais bem produzidos. A mudança para a letra de fôrma também pode evidenciar uma maior preocupação com os objetivos pedagogizantes dos livros, já que de acordo com as novas orientações no campo da educação e da construção do conhecimento da escrita, ela deve ser a primeira ensinada à criança.
Estudos de Roger Chatier (1986; 1998) apontam para o fato de uma mesma obra, uma mesma coleção receber fórmulas editoriais diferentes pensadas e criadas para atender a público leitor diferenciado. Segundo este pesquisador, os editores dão para uma mesma obra, uma outra disposição, uma nova estrutura tipográfica e textual, remodelando a apresentação do texto e do próprio objeto livro a partir da imagem/ representação do leitor que eles pretendem alcançar.
Manuseando a edição de 1986 da Melhoramentos, vimos que o livro tinha em sua quarta capa a explicação de que a série fora desenvolvida para crianças a partir dos seis anos de idade que estavam começando a ler sozinhas. Por esse motivo, o texto no interior dos livros era grafado com letras grandes e vinha escrito em torno de um mesmo conjunto de sílabas, o que remete à idéia de cartilha. A quarta capa ainda prestava informações quanto à ordem da leitura: “sugerimos que a leitura dos livros que fazem parte dessa série seja orientada na seguinte ordem: “Cabe na mala, Tatu bobo, Menino Poti e Mico Maneco”.
Atualmente estas indicações, que deixavam claro a intenção de que os livros se constituíssem como ferramenta auxiliar na aquisição da leitura e da escrita, não mais estão presentes, indicando, talvez, uma incorporação de novas tendências em relação ao ensino/ aprendizagem na aquisição da leitura e da escrita. Hoje, no lugar das indicações encontra-se a fala da autora destacando quando e como surgiu a série, e o porquê: para ajudar seu filho a aprender a ler e escrever, que depois se estende a outros leitores: crianças que “já estão no ponto de aprender a ler”.
Assim, a retirada das indicações de leitura nos leva a pensar que os mesmos propósitos que motivaram o surgimento dessa série de livros permanecem, porém não explicitada a orientação na forma seqüencial e gradativa da leitura. A ênfase é no estímulo à prática da leitura, no encontro da criança com os livros.
A contracapa dos livros ainda apresenta a fala da autora, onde Machado, destaca que seu trabalho é o de escritora e não de pedagoga: “Nunca estudei pedagogia. Meu negócio é contar histórias, inventar escrita”. Esta informação parece indicar que a autora quer demarcar de que lugar ela produz e com o qual se identifica, construindo assim um discurso de “defesa” às críticas que possam vir do campo da educação.

MICO MANECO EM ANÁLISE
Optamos por uma metodologia denominada qualitativa, e por isso, selecionamos dentre esta Coleção, apenas um livro de cada série, entendendo que através de uma parte tornar-se-á possível uma compreensão do todo em sua diversidade e ao longo do tempo, no qual a coleção foi lançada. Adotamos nessa pesquisa, a metodologia identificada como estudo de caso, embasadas nos estudos de Lüdke e André (1986). De acordo com as autoras, o estudo de caso voltado para um campo de análise menor, permite a busca da descoberta no detalhamento de alguns aspectos constituintes e constitutivos do objeto investigado e a revelação de uma experiência que possa ser aplicada em casos semelhantes ao estudado.
Os livros selecionados para a análise foram os seguintes: Mico Maneco, da série Mico Maneco I, por ele ser o responsável pelo nome dado à toda a série e pela ludicidade de seu texto; Uma gota de mágica (série II), também editado pela impressão que nos causou já na primeira leitura; No barraco do carrapato (série III) por ter sido premiado como “Altamente recomendável” pela FNLIJ em 1985 e por apresentar tanto o texto como as ilustrações de forma interessante e atraente ao leitor; A zabumba do quati (série IV) editado em braile em 1993 possibilitando a ampliação do público leitor; Com prazer e alegria (série VI) que tematiza poeticamente o ato da leitura e encerra a série convidando o leitor a adentrar no universo literário. Optamos por estudar o projeto editorial da Série que está no mercado: o da Salamandra, porém não desconsideraremos o projeto original editado pela Melhoramentos, em 1988.
A partir dos aspectos destacados durante a leitura de cada obra, fizemos uma organização aproximando cada obra lida a outra através de elementos comuns: projeto gráfico das obras, linguagem verbal e não verbal, ilustração, a construção do texto. Na escrita da análise, ora destacávamos a linguagem, ora o enredo. Não nos preocupamos em esgotar cada aspecto em cada obra.

AS CAPAS
As capas dos cinco livros analisados por nós chamam atenção do leitor quando colocadas lado a lado, tanto pela coerência visual que trazem quanto pelo cuidado na apresentação dos personagens principais que nos dá de imediato, uma imagem de algo descontraído, alegre, em movimento.

 

 

 

 

Neste caso, pelas capas já antecipamos livros que pertencem a uma mesma coleção destinada ao leitor infantil, provavelmente apreciador de livros finos, papel mais resistente e um tamanho e formato para um fácil manuseio no momento da leitura.
A ilustração presente nas capas é composta por desenhos dos personagens das histórias e se repete no interior dos livros no desenrolar das narrativas. Os personagens têm nas expressões do rosto, uma imagem feliz, travessa, de curiosidade, um largo sorriso. Por exemplo, no livro A zabumba do quati, o bichinho que tem um longo nariz parece estar radiante tocando sua zabumba, enquanto que Mico Maneco, o macaco de longo rabo enrolado, abre os braços e o sorriso, saltitando na capa.
Caricaturalmente desenhados, olhos arregalados e boca alongada, provocam um certo humor e graça nos personagens que buscam cativar o leitor infantil não por um ar sisudo ou de preocupado. Por outro lado, os personagens ali estampados nos dão uma idéia de movimentação: personagens pulam, voam, tocam, escapam ou apenas observam uma gota que cai de uma torneira. Em Com prazer e alegria, em que três crianças parecem voar de mãos dadas, ou em No barraco do carrapato onde a “Sapa” que é ilustrada com características humanizadoras (usa batom, vestido de bolinhas, cílios pintados), sorri, parece estar em movimento. Indo para onde? Poderíamos pensar, que estes personagens assim representados podem oferecer aos seus leitores, uma imagem de criança não passiva, não estática, não acomodada? Uma imagem de uma criança que gosta de situações e personagens engraçados e felizes?
As cinco capas analisadas enquadram-se como qualquer outra do gênero literatura infantil que se mostra chamativa pela cor, pelo personagem principal ilustrado nelas que fazem parte do imaginário infantil (bichos, crianças, brinquedos). O colorido, as ilustrações mais chamativas que parecem ter sido pintadas com lápis de cor ou giz de cera, o tipo de letra utilizado, de fôrma e em tamanho maior, são instrumentos que buscam chamar a atenção e conquistar o público alvo dessa coleção: o de crianças que estão se iniciando na prática da leitura e da escrita e adentrando no mundo da literatura infantil.

AS ILUSTRAÇÕES
As ilustrações presentes nos vinte livros que formam a coleção são todas de autoria do mesmo ilustrador, Claudius, e apresentam como marca um cuidado estético com estilo de traços simples, caricaturais e cores fortes.
Nos livros selecionados, como também nos demais, as ilustrações intercalam as páginas que contêm o texto escrito e têm como objetivo principal elucidar a ação desenvolvida na narrativa. Nesta perspectiva, as ilustrações reafirmam nas imagens o que está escrito na página ao lado, dando condições da criança que ainda não sabe ler acompanhar o desdobramento da história.
O fato de toda ação que ocorre no texto escrito ser repetida pela ilustração pode ser um indicativo da preocupação do projeto editorial em facilitar a assimilação da criança, que ainda está em fase de aquisição da leitura, entre o que está escrito e o que está ilustrado. Porém para Regina Zilberman “o paralelismo – a ação repetindo-se e sendo suplementarmente reiterada pela ilustração – prejudica o andamento da narrativa” (Zilberman, 1988 pp. 91), como também pode empobrecer, limitar os sentidos produzidos pela leitura. Mas se a ilustração indica com conteúdo o que os personagens principais fazem, cabe destacar nesta obra, que eles estão ilustrados com humor e graça.
Interessante ressaltar que dois desses 5 livros selecionados trazem com destaque a criança negra. Em Uma gota de mágica, livro da série Mico Maneco II, da cor roxa, a ilustração apresenta uma menina negra, ainda criança que deitada no chão observa as gotas de água pingarem da torneira em uma lata. Em Com prazer e alegria entre uma criança loira de olhos azuis e um menino branco de cabelos castanhos, vemos também uma criança negra. O fato das crianças das capas serem negras e não se encaixarem na definição de “criança-padrão” já que, de acordo com Abramovich (1997) “Sendo menino ou menina, a criança-padrão é branca, de classe média, bem alimentada, tratada, bem vestida, bem cuidada...” (ABRAMOVICH, 1997: 40), parece indicar a intenção de inclusão por meio da presença da criança negra e também de levar à criança leitora um pouco da diversidade real em que vivemos no nosso país. Para Abramovich (1997) preconceitos não são transmitidos apenas por meio de palavras mas também por imagens e está aí a relevância de ilustrações mais realistas e menos estereotipadas.
Assim, as ilustrações, além de oferecerem boa qualidade e de serem mais um atrativo da obra, proporcionam uma variedade ampla na caracterização dos personagens, baseando-se na identidade nacional para compor seu repertório, já que apresentam índios, negros e brancos, pessoas de diferentes tons de pele e cabelo, frutos de várias etnias, tentando aproximar-se mais do cotidiano real do leitor infantil e da realidade brasileira
No primeiro projeto editorial da série lançado no mercado pela editora Melhoramentos, as ilustrações eram mais opacas, menos coloridas e em alguns casos, mais simples, de fundo branco. Nas edições disponíveis para a compra hoje, publicadas pela Salamandra, as ilustrações sofreram modificações em busca de mais vivacidade para os desenhos: seu colorido é mais forte, as expressões dos personagens estão mais acentuadas, o contorno melhor definido e os planos de fundo estão mais elaborados, causando um resultado melhor na produção das imagens.
Podemos pensar que as ilustrações tão bem cuidadas para provocar o riso no leitor, para complementar a história contada com palavras, para permitir uma leitura apenas visual ainda que voltada para o público infantil, não trazem explicitamente o conteúdo de quem quer alfabetizar apresentando determinada família silábica. Na ilustração, o leitor pode “ler” sem decifrar letra por letra, palavra por palavra, acompanhando o movimento dos traços feitos por Claudius, participando da cultura letrada no folhear dos livros.
Assim, esse projeto mais do que alfabetizar com letras, deixa a criança em contato com práticas de leitura, com textos de qualidade, para que se familiarize com a escrita e seus símbolos mesmo antes de compreendê-los e participe do mundo letrado. Além disso, qualidade e beleza das ilustrações criam para o leitor mais do que uma coerência e reprodução do escrito contido nas páginas, contribuem para a concretização de um bom projeto gráfico. Os desenhos de qualidade permitem que o leitor se identifique e se sinta atraído pelo material, convidando-o a ler e a interagir com essa produção cultural voltada ao público infantil.


DISPOSIÇÃO GRÁFICA
Todos os livros que compõem a obra de Ana Maria Machado apresentam a mesma tipologia gráfica: a mesma fonte é utilizada, apresentando variações apenas quanto ao seu tamanho. Em ambos os projetos gráficos conhecidos, o tipo de letra utilizado na impressão dos livros da série Mico Maneco é a letra de fôrma ou de imprensa, sendo que de acordo com o número de palavras presentes na página, as letras podem ser maiores ou menores. O texto se dispõe na parte superior da página, alinhado à esquerda e as frases têm amplo espaçamento entre si, deixando ainda, na maioria das vezes, a página quase pela metade, em branco. Verificamos também que nos livros que compõem a série I, o texto é sempre composto por poucas frases e por isso é curto, apresentando letras em tamanho maior. À medida que se avançam as séries da coleção (I, II, III, IV e V), cresce a complexidade dos textos escritos e as letras vão diminuindo para que, conseqüentemente, caibam mais palavras e frases na página, que parece convir às expectativas, competências e habilidades do jovem leitor a que se destinam.
Cagliari, 1999 defende primeiramente apenas a utilização do alfabeto de letras de fôrma maiúsculas pois “é uma forma mais fácil (...) de se chegar ao aprendizado da leitura” (CAGLIARI, 1999 p. 49) e que a adoção desse alfabeto desde os primeiros contatos da criança com as letras, pode evitar uma série de problemas na aquisição da escrita mais tarde.
Desde a produção do projeto visual da série estão presentes elementos que indicam a preocupação com a faixa etária de leitores a que o livro se destina, que são as crianças em fase de aquisição da leitura e da escrita. Por esse motivo os livros apresentam um formato maior, letras de fôrma, e um conjunto de textos que se desenvolvem gradativamente, aumentando sua complexidade de acordo com a série a que pertencem, visando trabalhar em cada um grupos silábicos diferentes e assim contribuir à alfabetização do leitor.
São marcas como essas presentes na elaboração e concretização do texto, de sua tipologia e disposição que colaboram para a percepção e compreensão dos objetivos pedagógicos que norteiam a concepção da série, já anunciada pela autora na capa de trás dos livros.
No entanto, as intenções pedagógicas ficam “escondidas” na forma como os livros são apresentados (as ilustrações coloridas, os personagens ligados ao imaginário infantil) assemelhando-se a qualquer outra obra de literatura para crianças, apresentando-se como livros para entretenimento, lazer, ficção, imaginação que procuram conquistar o leitor criança.

O TEXTO ESCRITO
Em geral, como já dissemos, os textos são escritos em frases curtas, em letra de fôrma, apresentando repetições de grupos silábicos, o que evidencia a intenção pedagógica que os norteia. Em alguns livros da série o texto sofre modificações do antigo para o novo projeto editorial. Em Cabe na mala, por exemplo, foram acrescentadas ou alteradas pontuações e palavras, o que pode ter ocorrido para melhorar a compreensão do texto por parte do leitor, já que antes, no projeto antigo, onde estava escrito: “Na vila a vaca vê tudo. (...) E nada cabe na mala. A mala leva o tatu” (pg. 12) hoje, no atual projeto se lê “Na vila a vaca vê tudo. Mas nada cabe na mala. A mala já leva o tatu.” (grifo nosso).
A inclusão das conjugações “mas” e “já”, não só dá ao leitor um novo sentido na leitura, como também revela uma explícita revisão na linguagem, talvez evitando a noção de texto formada de frases soltas, desarticuladas, apenas orientadas pela repetição de sílabas que se pretende ensinar no momento de aprendizagem da escrita.
Segundo Chartier (1996) editores, autores e ilustradores operam intervenções nos textos em novas edições e novos projetos editoriais com objetivo de remodelar a própria apresentação do texto “fazendo-o em função dos leitores que desejam ou pensam atingir”.(CHARTIER, 1996 p. 174).
Em Mico Maneco, livro da série I, a narrativa se desenvolve em torno de dois personagens de natureza animal: o “Mico Maneco” e a “Mona Maluca”. Os dois macacos que são apresentados nas primeiras páginas, já com palavras que têm as famílias silábicas m – n, c, d, etc., e depois interagem juntos dividindo um doce, a bananada, como podemos ler no trecho a seguir:
(8) “Mico Maneco pede
banana.
Mona Maluca
dá bananada.

(12) Epa! Mico Maneco
ficou todo melado...
De lama?
Não!
De bananada
danada de mole.

(14) Mona Maluca
pede o caneco
de bananada.

(16) O levado
do Mico Maneco
dá uma canecada.
De bananada?
Nada.
Canecada na cuca
de Mona Maluca.” (pp. 8/16).


As repetições fonética e gráfica visam facilitar a assimilação do alfabetizando entre o visual e o sonoro, demonstrando mais uma vez o caráter didático presente em toda a obra. Entendemos que os livros foram produzidos em uma época onde as cartilhas tradicionais imperavam nas escolas alfabetizando por meio do “ba – be- bi- bo- bu” e que a autora pensou em oferecer diferentemente de forma mais atraente para a criança o ensino das letras.
Neste caso embora possamos afirmar que há um direcionamento para a apresentação de palavras com sílabas simples (sem dígrafos, por exemplo) na criação do texto verbal, a autora optou também por apresentar simultaneamente três consoantes, diferentemente do que ocorre nas cartilhas, o que mostra uma inovação na concepção de alfabetização.
Percebe-se no texto a literalidade com que escreve Ana Maria Machado, procurando mesmo em meio às repetições de sons e fonemas da grafia, que mais uma vez evidenciam as intenções pedagógicas entrelaçadas à sua literatura, “rechear” o enredo com humor e jogos lingüísticos que atraem o leitor infantil.
Neste caso, as rimas (cuca, maluca; canecada, danada; caneco, Maneco); o jogo de uma sílaba dentro de outra (nada, bananada; banana, bananada;); a troca de uma letra na criação de outra palavra (bananada, danada; cuca, maluca); o jogo na pontuação (! ? . ...); mais o humor de um macaco melado de banana, que enraivecido com a Mona Maluca lhe dá uma canecada, dá ao texto um cuidado em sua construção, uma preocupação com sua literalidade em condições de igualdade com a pedagogia.
O livro Uma gota de mágica, por sua vez, apresenta uma narrativa que tal como a poesia concreta, desenha o que diz, concretiza visualmente o que o texto narra, descreve, anuncia. O livro tem como personagem principal Joana, que todos os dias acorda, come bolo de fubá e vai com uma lata buscar água da bica:

(4) “Lá a gota cai
na lata gota a gota,
gota
a
gota,
e Joana
imagina,
imagina...

A configuração do texto na página nos remete ao pingar das gotas, apresentando um sentido poético e metafórico, como se o texto também gotejasse e como se, a cada gota, um pensamento de Joana surgisse e ela desse asas a esses pensamentos entrando no mundo da imaginação. Essa ludicidade visual presente no texto pode cativar o público alvo dessa coleção que por ser criança também se identifica com a personagem pensativa, imaginativa.
Diferentemente de Mico Maneco em que o texto escrito joga com espaço em branco da folha apenas aumentando ou diminuindo frases, no trecho acima destacado de Uma gota de mágica, a repetição da mesma palavra desenha na folha o trajeto da gota que cai e metaforiza o som repetido de uma gota que cai insistentemente ( gota, gota, gota, imagina, imagina).
Nesta obra, que retrata uma menina simples, habitante de casas populares e que busca água na lata da bica, algo que dificilmente ocorreria com a “criança padrão” de Abramovich (1997), Machado retrata o cotidiano e a realidade de muitas crianças que comumente são excluídas da literatura infantil, sem com isso estigmatizá-la como “pobre coitada”, criando uma Joana criança capaz de imaginar e com isso mantêm viva a possibilidade da personagem penetrar outros mundos e de libertar seu pensamento, como qualquer outra criança.
No texto escrito de Uma gota de mágica se encontra a qualidade literária esperada de uma obra de autoria renomada como esta, sem com isso fugir dos propósitos que norteiam o projeto: de apresentar por meio da literatura infantil e brasileira, textos capazes devido à sua composição, de auxiliarem crianças na aquisição das práticas de leitura e de escrita.
O livro No barraco do carrapato, premiado com “Altamente Recomendável” pela Fundação Nacional do Livro Infanto-juvenil em 1985, narra o passeio da “Sapa” que sai em uma “jornada” em busca de seus sapatos e tenta ir de carroça até o morro onde fica o barraco do “Carrapato”. A personagem interage com outros três personagens também animais: o “Mico Maneco”, o “Burro” e o “Sapo”. A história começa com a apresentação da personagem, ao mesmo tempo em que apresenta sua intenção didática: trabalhar os grupos de sílabas.

(2) “A sapa saiu pela rua toda catita.
Uma sapa muito bonita.
De roupa nova e saia de fita.
Mas no pé, nada de sapato.
Sem bota,
sem botina,
Sem pé-de-pato.”

Além do humor e da qualidade perceptíveis no trecho acima, há sempre presença da rima, o que dá uma sonoridade e um ritmo diferentes, que deixam a leitura mais agradável e fluente, que caracterizam um personagem no jogo do que tem e não tem (pé de pato) e no jogo entre o texto e ilustração (pé de pato). Teria um sapo que ter pé de pato? Por que na ilustração ele o tem?
Nas últimas frases escritas acima, pode-se ver que a rima leva à repetição de sons semelhantes como: “corro” e “morro”, “terra” e “serra”, “barraco” e “carrapato”entre muitos outros, que não somente contribuem para o aspecto poético do texto mas também aproximam-se do popular “trava-língua”, que segundo Zilberman (1988), leva

“ a criança, de certo modo, a prestar atenção à sua leitura, sob pena de trocando as letras, modificar o sentido das palavras. (...) a criança acha graça enquanto decodifica a obra, dado o efeito cômico previsto nas armadilhas lançadas pelas palavras, fonicamente aparentadas” (ZILBERMAN, 1988: 91)

O conflito gerado pela perda do sapato e por sua busca prende o leitor ao desenvolvimento da narrativa e o faz esperar por uma solução. Porém, quando a “Sapa” desiste de buscar o sapato e desce da carroça, há uma quebra na seqüência dos acontecimentos onde aparece um terceiro personagem, o “Sapo”, que a auxilia a chegar até o barraco do Carrapato e achar seus sapatos com seus próprios meios, o que gera um final inesperado. Assim, “No barraco do carrapato” se constitui como uma leitura prazerosa não só por sua qualidade, mas também por não ser previsível, surpreendendo o leitor. Em busca de algo perdido, ela encontra diferentes amigos dispostos a ajudá-la, mas que apenas um (o Sapo) a ensina a ir a algum lugar conforme sua própria natureza e capacidade.
O livro A zabumba do quati, que pertence à série IV, destacado para nós por ter sido editado em braile e por isso ter ampliado o público consumidor da Série. Aqui, como em No barraco do carrapato, o texto se estrutura em torno da resolução de um conflito, que no caso é a procura por uma zabumba. Porém os fatos que ocorrem durante a busca são surpreendentes e despertam no leitor infantil a curiosidade, algo comum na faixa etária a que se destina o livro e que contribui para que a criança fique atenta à leitura. Novamente, a repetição de palavras contendo fonemas semelhantes ocorre no texto, que contém várias palavras escritas com “x” e “ch” e as com sons de “z” e “s”, palavras com as quais, em geral, a criança já alfabetizada ou em processo de aquisição da escrita possui dificuldades para grafá-las corretamente.

(20) “Mas aquela caixa veio
para a dança.
O quati mexeu daqui,
virou um pouquinho dali,
Tirou uma rodela de madeira,
esticou um pedaço
de couro de zebu,
e a caixa virou zabumba.
22) Agora o batuque dela
toca baião e xaxado.
E se você quiser,
venha para o remelexo da dança,
Lá na palhoça.”

É visível o trabalho que Ana Maria Machado realiza com as palavras, repetindo sons diferentemente do modo como acontece nos textos cartilhescos, pois constrói um texto que conta uma história, que significa algo para a criança e que lhe apresenta de forma mais natural as palavras formadas, sem dividí-las aos pedaços, sem criar um texto desconexo de compreensão.
Com criatividade e leveza, Machado conta uma história simples, que contém elementos regionais da cultura brasileira em seu enredo, como o forró, a zabumba, pífano de taquara e o xaxado, trabalha grupos silábicos considerados difíceis no momento da aquisição da escrita, sem tornar com isso o texto cansativo e encerra a narrativa de forma a se aproximar do leitor, convidando-o para adentrar a história, levando-o a sentir-se como alguém que participa dela também, criando com esse conjunto uma literatura de qualidade, onde a criança se identifica, aprende e se diverte. Não simplesmente são mais frases simples com palavras também formadas de sílabas simples que subestimam a competência de leitura da criança.
O último livro escolhido por nós para análise, Com prazer e alegria, da série V, encerra toda a Série de livros, abordando a amplitude que a leitura traz ao sujeito e os diversos mundos que podem ser descobertos por meio dela. A narrativa se inicia com dois personagens, Benedito e Janaína, que fizeram um passeio diferente. Eles conversam no texto com outras crianças que ficam curiosas para saberem o que eles fizeram. Cada um conta o que fez e o que viu:
O diálogo entre os três personagens – narradores parece ser o que conduz a história, revelando o que crianças viveram: aventuras diversas, pela floresta, pelo mundo de fadas e de príncipes. A busca dos personagens crianças aguça a curiosidade do leitor, que acompanha lugares visitados por Benedito e Janaína e se identifica com eles:

– Eu andei pela floresta e encontrei
um tigre pelo meio das plantas –
disse Benedito.
(6) – Eu procurei um tesouro
numa praia de areia branca...
- explicou Janaína.

(8) – Vocês estavam sozinhos? –
quis saber André.
- Não, havia uma porção de gente...
– disseram eles, rindo.
– Homens e mulheres, príncipes
e princesas, nobres e pobres.

As viagens por mundos desconhecidos são possíveis de serem feitas com o domínio da competência da leitura, é a mensagem da obra. Aqui, o texto e a ilustração tematizam uma concepção do ato de ler bastante significativa no discurso sobre a Leitura: “ler é viajar”, “ler é entrar na história”, “na emoção”. Nesta perspectiva o mundo da ficção e o mundo real ficam sem barreiras, são possíveis de serem rompidos pelo leitor através da leitura.
Este livro encerra a Série composta pelos outros vinte, tematizando o ato de ler, de maneira poética e cativante, dando à literatura um caráter lúdico e a idéia de que a leitura é capaz de transportar pessoas, ampliando seus conhecimentos e evidenciando mais uma vez os objetivos da série, de iniciar a criança na leitura. Segundo as próprias palavras de Machado:

“Já escrevi uma porção de livros, mas poucos têm me dado tanta emoção como os dessa série Mico Maneco: para tantas crianças, o primeiro livro lido na vida. Umas espécie de chave mágica para a literatura, todas as leituras futuras, todos os livros do mundo!” (MACHADO, na quarta capa dos livros da série).

É como se criança após ouvir, ver, ler toda a série Mico Maneco, tenha se consolidado como um leitor capaz a partir de então, de “ler qualquer história, de qualquer livro, com tudo o que existe.”

CONCLUSÕES

Enquanto proposta de literatura com a intenção de auxiliar as crianças que estão começando a ler, essa série responde às características desse gênero através dos propósitos explicitados pela autora já na capa de trás do livro, do seu projeto visual com cores e traços fortes e com textos organizados para serem lidos segundo a numeração das séries (I, II, III, IV e V).
Os conteúdos das histórias também deixam evidentes as intenções pedagógicas, já que todos os livros são desenvolvidos baseados em determinados grupos silábicos, na repetição e no uso destes de diversas formas, na apresentação de forma gradativa de dificuldade de aprendizagem (sílabas simples, sílabas mais complexas, uma mesma letra que apresenta vários sons). A preocupação na criação de personagens e enredos em torno de uma ênfase em determinadas “famílias” de letras, lembram à organização das cartilhas.
Nesta perspectiva pode-se perceber uma concepção de alfabetização que se aproxima do tradicional, considerando a ênfase nas famílias silábicas e na concepção de ensino/aprendizagem da aquisição da língua de forma gradativa e a partir de um nível de dificuldade indicado pelo adulto. Porém, esta concepção de alfabetização se distancia daquela presente na cartilha tradicional porque pressupõe o alfabetizando como alguém que terá interesse e prazer de aprender a ler, se for com textos bem humorados, com crianças e bichos, com jogo de palavras, trazendo a ele o mundo da criança e a possibilidade de alfabetizar não se limitando a textos sem significado.
Machado consegue construir textos que partem do princípio alfabetizador orientador da série usando uma literatura lúdica, envolvente, que prende a atenção do leitor e o cativa, atingindo os objetivos pedagógicos de sua obra de uma maneira leve, divertida, dinâmica e mais significativa para o leitor e por isso mais atraente e provavelmente mais eficaz, pois não só auxiliando a aquisição da leitura como também contribuindo para adentrar a criança no universo literário e para torná-la assídua de suas produções.
A série de livros “Mico Maneco” constitui-se como uma obra de relevância, pois além de trazer à criança que adentra ao mundo letrado mais um instrumento de auxílio na aquisição de suas práticas de leitura e escrita, o faz por meio de uma literatura de boa qualidade, que se preocupa com a elaboração e a constituição de seu projeto editorial e visual, deixando evidente o cuidado com seu destinatário. Além disso, a série introduz a criança ao mundo literário de forma cativante, envolvente e agradável, tornando a aprendizagem e o ato de ler aprazíveis, contribuindo assim não só à continuidade de uma literatura infantil de alto padrão, capaz de efetivamente acrescentar aos leitores mais informações e conhecimentos, mas também à formação de crianças que desfrutem da arte literária e concebam a leitura como uma atividade tão gostosa e compensadora quanto o brincar, algo para ser realizado com prazer e alegria, como se a leitura de cada livro fosse mais uma gota de mágica no seu oceano de saberes.

BIBLIOGRAFIA


ABRAMOVICH, Fanny. Literatura infantil: Gostosuras e Bobices. 5ª ed. São Paulo Scipione, 1995.

CHARTIER, R. “Textos e edições: a literatura de cordel” in: A História Cultural: entre práticas e representações, RJ, Bertrand, 1986. pp. 165 - 187
CHARTIER, R. A aventura do livro: do leitor ao navegador. SP, Unesp, 1998.

COSTA, Marisa P. A Leitura e Escrita para Lygia Bojunga Nunes Campinas, SP: [s. n.], 2001.

KRAMER, Sônia. Infância, Cultura e Educação in PAIVA, A., EVANGELISTA A., PAULINO, G. e VERSIANI, Z.(org.) No fim do século:a diversidade – o jogo do livro infantil e juvenil Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

LAJOLO, Marisa. Ana Monteiro e Ruth Lobato ou vice-versa? In: (Org.) BASTOS, Dau. Ana e Ruth: 25 anos de literatura. Rio de Janeiro: Salamandra, 1995, p. 69-75.

LAJOLO, Marisa e ZILBERMAN, A formação da leitura no Brasil São Paulo: Ática, 2003.

. A leitura rarefeita: livro e literatura no Brasil 1 ed. – São Paulo: Brasiliense, 1991.

. Um Brasil para crianças: para conhecer a literatura infantil brasileira: história, autores e textos” 4 ed.- São Paulo: Global, 1993.

LÜDKE, Menga, ANDRÉ, Marli E. D. A. Abordagens qualitativas de pesquisa: a pesquisa etnográfica e o estudo de caso em A pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986 pp. 11 – 44

MACHADO, Ana Maria. Esta força estranha. Trajetória de uma autora. São Paulo: Atual, 1996 (Passando a limpo).
. A zabumba do quati. São Paulo

. Cabe na Mala. 7 ed. São Paulo: Melhoramentos, 1988.

. Com prazer e alegria. 6. ed. São Paulo: Salamandra, 1988.

. Contra Corrente: conversas sobre leitura e política São Paulo: Ática, 1999.

. Menino Poti. 10 ed.São Paulo: Melhoramentos, 1988

. Mico Maneco. 23 ed. São Paulo: Salamandra, 1988.

. No barraco do carrapato. 20 ed. São Paulo: Salamandra, 1988.

. Seleção de textos, notas, estudos biográfico, histórico e crítico e exercícios por Marisa Lajolo. São Paulo: Abril Educação, 1983. (Literatura Comentada).

. Uma gota de mágica. 16 ed. São Paulo: Salamandra, 1988.

SANDRONI, Laura. De Lobato à década de 70 in SERRA, E. 30 anos de Literatura para crianças e jovens: algumas leituras Campinas, SP: Mercado das Letras: ALB, 1998 (Coleção Leituras no Brasil).

SERRA, Elizabeth. Um panorama da literatura para crianças e jovens em 30 anos de Literatura para crianças e jovens Campinas, SP:Mercado das Letras/ALB, 1998 (coleção Leituras no Brasil).

SOARES, Magda. Letramento: como definir, como avaliar, como medir em Letramento: um tema em três gêneros – Belo Horizonte: Autêntica, 1998 pp. 61 - 121

ZILBERMAN, Regina e MAGALHÃES, Lígia C. Literatura infantil: Autoritarismo e emancipação. 3ª ed. São Paulo: Ática, 1987.

ZILBERMAN, Regina. Literatura Infantil para crianças que aprendem a ler em A leitura e o ensino de Literatura São Paulo, SP: Contexto, 1988.
A literatura infantil na escola. 6ª ed. São Paulo: Global Editora, 1986.

Estética da recepção e história da literatura São Paulo: Ática, 1989 (Fundamentos).

 
Voltar